sexta-feira, 15 de novembro de 2013

VEJA ANTECEDENTES DA CONTRA REVOLUÇÃO EM 1964

Formação de partido de direita com membros com livre arbítrio para agir conforme suas consciências, Cristão ou não, Capitalista ou não.

AGORA VAMOS AOS ANTECEDENTES DA CONTRA REVOLUÇÃO EM 1964 :

      Quando João Goulart foi empossado na Presidência da República, em 7 de setembro de 1961, sob o regime parlamentarista, aprovado às pressas pelo Senado, para resolver a grave crise político-militar desencadeada. Tinha como primeiro-ministro Tancredo Neves - 07/09/1961 a 26/06/1962.
      
      Os anos seguintes foram marcados, ininterruptamente, por conflitos políticos e sociais. Em parte, o desgoverno refletia a personalidade dúbia de João Goulart. Se de dia anunciava as reformas planejadas “na base do estrito respeito à Constituição”, à noite, pressionado por outras opiniões, anunciava seu propósito de fazê-las “na lei ou na marra”. Greves e mais greves, algumas criadas no próprio Ministério do Trabalho, se sucediam pelo País. Bancos, escolas, hospitais, serviços público.
      

      Jango realizou um governo contraditório. Estreitou alianças com o movimento sindical e tentou implementar uma política de estabilização, baseada na contenção salarial. Determinou a realização das chamadas reformas de base: reformas agrária, fiscal, educacional, bancária e eleitoral, condições exigidas pelo FMI para a obtenção de novos empréstimos e para a renegociação da dívida externa. Para ele, elas eram necessárias ao desenvolvimento de um “capitalismo nacional progressista”.
      

      Limitou a remessa de capital para o exterior e nacionalizou empresas de comunicação. A oposição ao governo aumentou com o anúncio dessas medidas. Jango perdeu suas bases e, para não se isolar, reforçou as alianças com Leonel Brizola, seu cunhado e deputado federal pela Guanabara, com a UNE e com o Partido Comunista Brasileiro que, apesar de clandestino, mantinha forte atuação nos movimentos estudantil e sindical. A atuação das organizações subversivas era grande. Em 18 de novembro de 1961, uma delegação de comunistas brasileiros enviada ao XXII Congresso do Partido Comunista da União Soviética foi recebida no Kremlin por dirigentes russos. Lá, Luís Carlos Prestes e seus seguidores receberam instruções para o preparo político das massas operárias e camponesas e para a montagem da luta armada no Brasil.
      

     No início de 1962, os comunistas conquistaram o domínio da UNE e da Petrobrás.
O VI Congresso dos Ferroviários mostrou o nível de infiltração comunista no setor de transportes. Um comando unificado orientava e conduzia as ações dos rodoviários, ferroviários, marítimos e aeroviários. O jornal oficial do Partido Comunista Brasileiro circulava, diariamente, com artigos audaciosos. As vitórias da União Soviética no plano internacional estimulavam a aceleração do processo revolucionário no Brasil.

      Em fevereiro de 1962, o Partido Comunista do Brasil (PCdoB), dissidente do PCB e recém-criado, organizou-se e passou a defender a luta armada como instrumento para a conquista do poder, seguindo o conceito chinês da “guerra popular prolongada”.

     A tensão social em junho de 1962 era dramática. A excitação popular atingiu o auge em Caxias-RJ, em 5 de julho, com a greve no setor petrolífero, com expressivos prejuízos para o Brasil. O movimento grevista crescia dia-a-dia. O Comando Geral dos Trabalhadores (CGT), criado em 5 de julho de 1962, apresentou numerosas exigências, ameaçando com uma greve geral. O movimento operário levantou a bandeira da luta por um novo poder: a greve política.
     

      O CGT emitia manifestos e instruções com as diretrizes do Partido Comunista Brasileiro. Em 14 de setembro, deflagrou nova greve geral pela antecipação do plebiscito para consulta popular sobre o sistema de governo. O movimento grevista paralisou, quase totalmente, a Nação e declarou, em manifesto, que a vitória comunista estava próxima.

      “Os sinais de conspiração janguista podiam ser vistos por toda a parte, segundo Júlio Mesquita Filho. O próprio governo orientava as greves que se sucediam e incentivava a quebra da hierarquia militar, apoiando os sargentos e marinheiros em rebelião contra seus superiores. No meio da sucessão de crise, Luís Carlos Prestes chegou a dizer publicamente que os comunistas já estão no governo embora ainda não no poder.(O Estado de S. Paulo - caderno 2 - “Trajetória de um liberal movido pelo amor ao País” - 12/07/1999).

Kureberu
fonte: averdadesufocada




Índice demais página do blog:


Agora veja esse vídeo sobre os escândalos envolvendo o PT:
https://www.facebook.com/photo.php?v=667600873279757&set=vb.140140766087925&type=2&theater

Curtir página no facebook: www.facebook.com/FormacaoPartidoDireita
Acesse-me no Facebook: https://www.facebook.com/Josfersim

Formação de partido de DIREITA que defenda a Ordem, o Trabalho, a Liberdade, a Propriedade, a Democracia, a Família e a Religião e que faça tudo internamente por meio de votação livre entre os membros, chega de caciques, pessoas e partidos de aluguel, onde seus membros são castrados de suas consciências e dirigidos por líderes opressores da liberdade e direitos da maioria. Após assinaturas vamos passar a formação do partido com bases nacionais, estaduais e locais por meio de pessoas que estejam dispostas a liderar o processo, porque as lideranças do partido vão surgir de forma espontânea Brasil afora. CONTAMOS COM SUA ASSINATURA. 
Assine a petição :http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2013N44805 

Nenhum comentário:

Postar um comentário